sábado, 19 de dezembro de 2009

RoSa EsPeRaNçA

Eu não sabia bem ao que ia. Que eram sete mulheres. Que na primeira pessoa iriam falar de cancro. Que (sobre)viviam à luz da cura. Vidas cor-de-rosa. Cheias de esperanças. Uma, a delas, outra para dar.
(Per)correram o país já rendido ao encanto do que havia para partilhar. Um grupo de figurantes activo. Um encenador interessante. Um grupo de amigas inicialmente virtuais que, aos poucos, se permitiram invadir. E que eram todos amigos. Era o que eu sabia de tudo aquilo.
Uma amiga já tinha ido assistir à peça. Maravilhas, foi o que me relatou.
Leiria surge como painel para finalizar a digressão. Que adorava ir, matei eu. Pois que vamos, esfolou ela. Venham, venham, matamos saudades, meteu-se a outra ao barulho. Que era muito longe. Viajar de noite. Sim, e depois? E fomos. Eu e a Linda. A Albertina de anfitriã.

Para mim é medo, raiva, inconformação. E mais medo. Perdem-se os amores. E, por mais que se descruzem os braços, nunca o abraço em que se voltam a fechar tem sido suficientemente forte para as agarrar aqui, a nós. Às pessoas que se amam e que se desejam, indefectivelmente, por perto, por mais um dia que seja. Desmesuradamente arranca-nos a alma, traz-nos o grito infinito daquilo que será o resto dos dias da nossa alma: o choro e a saudade, incontornáveis. Quem ousa? Ele, o cancro. Esta é a minha vivência. O cancro para mim tem sido, sempre, significado de morte. Sandra, Márcia, Aida, a amiga da Mãe, o tio, Costa Pinto. Todos levados pelos cornos de um touro que insiste em vigorar na arena, numa dança de passos toureados que insiste ser dele. É assim que o cancro é. Foi assim que fui buscar esperança para o cenário ainda não perdido que novamente a minha alma atravessa. (cf. link)

Primeira fila, os dois melhores lugares. O palco miraculosamente ao nivel do meu coração. Se eu desse três passos, tocava-lhes.
Deixei-as falar para mim, dei-lhes, na qualidade de público, as minhas lágrimas, entreguei a alma nas palavras majestosas que difundiam, as de esperança. Elas estavam vivas, bonitas, felizes, ali. O cancro para elas era cor-de-rosa.
Os balões. Coloridos. Que surgiram na plateia. É a magia que trago de lá. Um significava a inocência do nosso dia-a-dia em que não imaginamos de que cor se pode transformar a nossa vida, a qualquer momento. Outro, a fragilidade. Mais um, a alegria de ter vencido. Dois, três, quatro balões gigantescos que eu e os do lado não queríamos ver pousados no chão. E, quais crianças, insistíamos em tocar-lhes com a ponta dos dedos, impedindo que no chão caíssem. Demos-lhes balanço o tempo que foi possível. Senti que estávamos ali, afinal, pelo mesmo motivo. Ir em busca de qualquer coisa que não seria mais forte do que nós e que jamais nos faria cair, ainda que... Frágeis.
Daquele palco veio ainda o desespero, o grito em relatos reais. A família. Os amigos. A medicina. E a Fé. A Fé no filho que se quer ver criado, no marido que não sabe viver sem o Amor, na Mãe que não tem como direito ver partir a filha, em Deus. Que impoprta? Fé. Numa só palavra, em jeito de monossílabo, logo, alvo fácil de agarrar e proferir. O suficiente para iniciar uma luta, afinal! Daquele palco, ainda, o glamour, a festa, o champanhe. A VIDA!
No final, Fame. I want to live forever! Palmas, mais palmas. De pé. Orgulhosamente de pé a aplaudirmos RoSa EsPeRaNçA! E a dançar!
Chorei-me do princípio ao fim. Que a peça é forte. Estrondosamente forte. Lavei ali a minha alma. Deixei o meu coração naquele palco. Foi há duas semanas e ainda não voltou. Nem o quero. Que se deixe lá estar.
Que depois do cancro há vida, disse ela. Uma actriz de garra e força. Não, não é verdade. Cancro é morte, contrapus eu. Que me perdoe, Deus, a partir daquele momento.
Não é, pois não? Não. Nem sempre.

Afinal, tenho a Maria. A minha little Mary.
E, uma semana depois, (re)encontrei-me com a Elsinha. Uma Amiga a quem tinha perdido o rasto há vinte e um anos. Ironicamente, nos últimos dois anos ali tão próxima. Mãe de um aluno. E nunca nos tinhamos cruzado. Aos vinte e sete anos andou na arena. Hoje, com quarenta, ainda recebe os louros e as ovações! Uma verdadeira forcada! Também ela feliz e glamorosa! É a minha Rosa Esperança. A juntar às outras sete que tanto passei a admirar.

Eu gostava que toda a gente pudesse viver o que eu vivi. Eu gostava que toda a gente pudesse perder a alma, algures, por uma causa destas. Eu gostava que estas mulheres corressem o Mundo!
Um beijo para elas, no coração. E que cuidem bem do meu. Que, afinal, ficou para lá. Ao desbarato. Entregue a quem quer que tenha, depois, andado a recolher os adereços.

Basta-me ter em mim o que me ensinaram: ainda que não haja esperança, aprendi que os dias podem ser sempre... Cor-de-rosa. E eu que sempre a tive como cor de eleição, tinha ali uma boa solução e não sabia.

Para ti, Zézinha, que foi por ti que lá fui. Um brinde à tua vida! E aos dias cor-de-rosa que ainda temos para ti! Tchim - Tchim!

E depois, tivemos Leiria por si só. Uma cidade cheia de Natal. E três amigas! Uma que fez parar o trânsito, que é modelo fotográfico, que é profissional de fotografia, que gosta de bifes bem passados, que trabalha numa agência de publicidade, que pôs o comércio tradicional a abrir as portas de par em par! Outra que tem a mania que tira fotografias girinhas, que conduz sem pés, que não tem dinheiro para lanchar, que tem cachecóis vermelhos para oferecer e acha que são mantas! E outra que é modelo de coiffeur, que tem a mania que é do meio, que diz que conhece muita gente, que conhece pessoas que passam por acaso e que se dá com bancários aposentados rechonchudinhos! Mas isso... Isso é outra conversa (cf. link)! :)

20 comentários:

Teresa disse...

Ginastas!
Esta é a partilha dos meus "sentires" sobre a peça Rosa Esperança. Que aconselho vivamente a verem, num lugar qualquer, ainda que longínquo do vosso sofá, na terceira temporada que há-de surgir.
Só hoje o consegui fazer. Antes, porque as emoções estavam ao rubro. Depois, por manifesta falta de tempo. Mas cá está! Cá fica!
Eu, a Linda e a Albertina representámos lá o nosso ginásiodaalma e acho que não fizemos má figura! (Quer dizer... Elas, já se sabe como é...!!)

Muitos beijinhos estreladinhos!
Fiquem bem!
Bom fim-de-semana cheio de sol, ainda que frio! Mas para que servem os aquecedores, os recuperadores de calor, os saquitos de água quente, as mantinhas e umas corridinhas lá fora? :)

Beijo, meus amores*

Linda disse...

Depois disto que há para dizer? Nada a acrescentar, maravilhoso relato, melhor ninguém faria!
Também de quem veio outra coisa não seria de esperar! Há pessoas com o dom da escrita, que conseguem cativar que os lê( a Teresa é uma delas, foi a escrita dela que me fez chegar tão perto e agora ser amiga do coração). Vivi com ela todas estas emoções mas vê-las aqui tão bem relatadas é novamente uma emoção!
Também eu vivi de perto com esse touro maldoso que me arrancou uma pessoa querida, talvez por isso sinta tudo de maneira diferente, e tenho pena que a minha Maria não o tenha enfrentado de frente e o tenha reduzido a pó. É de louvar e agradecer a estas mulheres com M a vontade e determinação com que nos mostram que para lá do cancro há vida, e uma vida cor de rosa ou de qualquer cor, é preciso é acreditar na cura!
Deixo aqui um grande beijo a todas elas assim como ao Rui, que acreditou que aquele projecto tinha pernas para andar e fez com que aquelas mulheres que nunca representaram na vida virassem verdadeiras actrizes!



Bem, agora vou aqui esclarecer uma coisa!
Eu não conduzo sem pés( tenho um carro com Cruise control) não ando a lanchar de graça ( pagou e fez muito bem porque a levei de graça) e por fim não tiro más fotografias, os modelos é que deixam muito a desejar!
E por fim ainda tive que oferecer uma manta lindissima e fofissima!!!

**

Teresa disse...

Linda: foi muito bom, não foi? :)
Sairam-me hoje as palavras. Que antes bem sabe que era impossível... E tenho pena de não conseguir dizer tudo. Porque há coisas que só na primeira pessoa... E assistir a esta peça é uma delas.


Mas... Nem imagina como lamento ter de admitir que me levou, pela primeira vez, a algum lado de jeito! :D
Vamos só esclarecer mais umas coisinhas, pertinentes, até! Levou-me de graça?? Desculpe?!?! Importa-se de repetir?? :D
Nem sabe como tenho os dedos a tremer para não dar com eles no teclado!! Que é como quem diz, com a língua nos dentes!
E nesse percurso, retire os quilómetros que eu foz até si, intriguista! Mas só depois de ter a coragem de cá vir repetir que eu... Fui de... Graça!!
E o modelito deixa a desejar, deixa! Um perigo para o trânsito nacional! Não é qualquer uma que faz parar o trânsito em Leiria, minha parola! É tão invejosinha, credo!!
Tenha um bom fim-de-semana e quentinha! Eu cá me tento arranjar com o cachecol vermelho que me deu! Mantas?? Se deu alguma manta a alguém a mim não foi! Aquilo nem me chega aos pés... Eu sei, eu sei... Sou elegantemente alta, eu sei!! A culpa não é sua! :D

Teresa disse...

A propósito de fotografias (que as tiro tão bem, já se sabe, mas convém esclarecer!), a fotografia natalícia que agora recebe os nossos visitantes foi tirada por MIM em Leiria, nesse dia! Está estrondosamente maravilhosa! Aquela árvore de Natal, na Praça Central ganhou vida a partir do momento em que o meu flash a abraçou! E foi assim que a cidade do Liz, passou a ser a cidade da Luz!
(Linda... Conseguiu tirar alguma assim? Quer que lhe envie uma destas? Já sabe, está à vontade! la la la!)

Albertina disse...

Hoje e qui não vou brincar... Já brincámos muito noutras bandas sobre a "aventura de leiria". Hoje quero juntar-me à Teresa na homenagem belíssima que aqui deixou ao Rosa Esperança, às actrizes e ao encenador. Fui actriz de tetro durante 10 anos. Piso o palco com a naturalidade de quem está em sua casa... mas esta peça, só esta peça, não a conseguiria interpretar. Só quem sente ou já sentiu, na carne, na alma, aquele sofrer, pode estar tão bem como estiveram as nossas amigas do Rosa Esperança.
Eu, junto-me aos "forcados" da Teresa e, vou tentando, como sabem, pegar pelos cornos o touro que atacou o meu irmão já há ano e meio... E cada dia é um dia cor-de-rosa... de rosa esperança!
Beijos

Anónimo disse...

Eu já imaginava que ia ser a doer, como tu mesma dizias, não estavas preparada, mas ainda bem que foste e que a Linda alinhou com a vossa amiga Albertina. Quem me dera ter ido como esteve previsto mas isto das gripes "às" desencadeou uma confusão familiar que foi mesmo impossível ir, mas não precisei pois o teu relato pessoal e este testemunho são muito realistas e ainda despertam mais a curiosidade para mover montanhas e ir a algum lado na terceira temporada. Como tu eu seguia a história de vida dessas senhoras e ainda vi muitas vezes alguns programas de televisão em, que elas participavam e a vontade de ir saber o que elas tinham para me contar aumentava.... Mas fica para depois, agora só lhes desejo muito descanso e um Santo Natal para que entrem em 2010 com os seus sonhos realizados e com novos para realizar, cheias de alegria e saúde para o país voltar a tê-las espalhadas pelo nosso rectângulo à beira mar plantado. Se a ti te fez milagres na forma de encarar o que agora passam familiarmente, a mim também vai fazer acreditar em muitas coisas e como não sei o meu dia de amanhã, vai fazer com que eu tenha estofo para alguma má surpresa, a vida não escolhe datas certas para nos assustar.
Há histórias com um fional feliz na vida real e a dessas senhoras é um exemplo, a Maria da nossa colega Paula Padinha também e eu conheço mais sucessos reais, embora também conheça o lado escuro do assunto, infelizmente por familiares e pela nossa amiga Xana, a Sandrinha que saudades deixou....... :-(

Tantas vezes te ouvi falar da tua amiga Elsinha que te ajudava e que te divertia tanto quando estiveram no Porto, na vossa juventude e olha que agradável surpresa o reencontro ali à mão de semear e mais um exemplo feliz a juntar!!!!! :-)

Gostei muito deste post, gosto de todos, mas este estava a ser preciso partilhar para quem não foi ver.
Beijinhos e um Natal Feliz a todos os do ginásio, que tudo corra bem!
Beijos, Mariana
Teresa, tchim-tchim porque a Zezinha ainda está vestidinha de cor-de-rosa junto de nós. :-)


Linda Carmo um dia destes ofereço uma máquina fotográfica a cada uma, igualzinha, da mesma cor e tudo porque desde Setembro de 2008 que não se encaram uma com a outra por causa das fotografias melhores e piores uma da outra!! As duas amigas são intriguistas e invejosas e é o que eu tenho a dizer!!! :-)))
Não lhe dê mais mantinhas, aquela é tão fofinha e tão quentinha, uma mal agradecida esta mulher de Deus!!!!
Beijos Mariana

Anónimo disse...

Reparei agora que já sairam daqui aqueles Pais Natal a descer pela chaminé do blog eu entrava aqui e tinha que estar sempre a desviar a cabeça para nenhum me acertar com alguma bota!!! :-)
Agora está a cair neve, os flocos sempre são mais levinhos e esta canção de Natal dos Beatles estão a matar, e não falo da excelente fotografia porque se calhar foi o Silva de Leiria que a tirou como tirou as outras da Linda.
Beijos, Feliz Natal ao ginásio, só venho0 em Janeiro, as férias vão ser no Norte e sem internet, para variar.
Mariana

IsaLenca disse...

Ler todas estas palavras "abananou-me" muito! Tal como fiquei "abananada" quando (re)descobri quem era a Teresa. E como escreve bem! Tens mesmo um dom da escrita, primita!
Não tenho a mesma perícia para escrever mas o que sinto é igualmente forte. Continuo a achar que a minha querida amiga Cláudia das SuperGlamorosas continua lá no alto a "deitar o seu dedinho"!
Bjs para todas

Tite disse...

Quando vi que havia notícias frescas aqui no Ginásio calculei logo que a Teresinha estava livre.
Não me enganei e só posso dizer que tudo me encantou.
A Árvore enorme!!!!! A côr verde a chamar por mim até ao âmago. A neve que cai mas não molha.
As palavras sentidas desta querida que não faz nada sem emoção e sentimento.
Pronto... tudo reunido e eis o um post mesmo com o espírito natalício que afinal é vivido pelas 7 magníficas durante todo o ano para que o alvo das suas atenções todo o ano perceba que esta maldita doença tem cura para todas as que acreditam.

Um grande Xi-coração e tudo de bom para as Ginastas e todas as queridas que se empenham nesta luta que é de todas nós.

FELIZ NATAL


___________________Paz
__________________União
_________________Alegrias
________________Esperanças
_______________Amor.Sucesso
______________Realizações★Luz
_____________Respeito★harmonia
____________Saúde★..solidariedade
___________Felicidade★...Humildade
__________Confraternização★..Pureza
_________Amizade★Sabedoria★.Perdão
________Igualdade★Liberdade.Boa-.sorte
_______Sinceridade★Estima★.Fraternidade
______Equilíbrio★Dignidade★..Benevolência
_____Fé★Bondade_Paciência.★.Gratidão_Força
____Tenacidade★Prosperidade★.Reconhecimento
(¨`•.•´¨). ×`•.¸.•´× (¨`•.•´¨). ×`•.¸.•´×(¨`•.•´¨)
(¨`•.•´¨). ×`•.¸.•´× (¨`•.•´¨). ×`•.¸.•´×(¨`•.•´¨)

Graça Lopes disse...

Depois da mensagem no telemóvel, a minha ansiedade para chegar ao ginásio era grande! Acabei de chegar, liguei o pc e corri para mais uma grande sessão de ginástica da Alma! Só a Tereza tem as palavras certas para traduzir a imensidão de sentimentos que nos vão na alma quando misturamos a Bela com o Monstro e no final o que resta... é a beleza da Força, da Coragem, da Esperança....
Parabéns e obrigada pelo relato. Espero em breve ter a oportunidade de uma experiencia semelhante.
Beijo no coração de todas as Rosas Esperança.
Feliz Natal

Anónimo disse...

Albertina: A sua óptica, a de quem está do outro lado é muito importante! Olhe, depois de tudo aquilo que assistimos... Vidas cor-de-rosa, com muitos dias felizes... É o que desejo para o seu irmão! Beijo grande!*
(Não fui eu que comecei a zaragata!! Foi ela!! Já sabe como é... :D)


Mariana: recomento-te na Quarta-feira, alive, está bem? :)
É que se não perder aqui cinco minutos contigo, posso dedicá-los às amigas que não vão ter a sorte que tu tens: privar comigo durante mais de 7 dias!! ahahha :)
Só vou dar-te aqui a mão para mandar-mos, ambas, um beijinho daqui até ao céu para a nossa Xaninha*


Isalenca para os amigos, Mábi para mim: tens o dom da escrita, sim... Ou não te lesse eu tantas vezes... ;)
É verdade. Tudo começou no SuperGlamorosas! E... A partir daí, foi a união total entre todas as amigas reais e virtuais dela... tudo teve início naquele blog... Que, curiosamente, transpira cor-de-rosinha por todos os lados...
Que pena não a recordar no episódio que relataste do teu casamento. Só recordo a fofa da Filipa, de microfone na mão a cantar o "Atirei o pau ao gato"! Da Cláudia, não...
Beijinho também para ela, daqui até ao céu...
Para ti, um abraço! Tu que estás tão envolvida no projecto Rosa Esperança... *


Tité: obrigada pelos gabanços à minha pessoa!! :D
Obrigada!! Obrigada!! Obrigada!! (in Amália Rodrigues mode)
Mas sabe... Nem todos aqueles que acreditam têm a cura... não será assim tão linear. Mas, que tenham dias glamorosos e rosadinhos, foi o que trouxe de lá...
Essa árvore é fantástica, Tité!
em nome da Graça, dona do blog e das restantes colaboradoras e demais comentadoras, agradeço!! Muito bonita! :)
Beijo*



Graça: Caramba... É que eu queria por a neve no blog e pôr isto mais natalício e não sabia se me deixava! Mas como nunca mais respondia... Meti-me no trenó e fui buscar neve! :D
É que, afinal, quem manda aqui é a Presidente da Junta!! Que é como quem diz, a Graça!! Ai, que cá comigo a idade é um posto!! :D

Gostei dessa analogia entre a Bela e o Monstro... Muito. Vou reflectir nela, Graça. Nunca me tinha ocorrido...
E enquanto eu reflicto... Vá pensando no post de Natal aqui para os ginastas... Que eu estou quase a "por-me ao fresco", my dear... A Clau... A Branquinha... Vejam qual das três põe o barrete e as barbas e vem aqui distribuir os presentitos! O post de Natal eu não faço!! Já fiz o cabeçalho!! (in birra mode!)

:)

Beijinhos enormes a todos!
Um restinho de Sábado quentinho! E um Domingo simpático, ginastas! :)



Teresa*

Eugénia Proença disse...

Não tenho palavras para comentar este texto... Belo.
Desde que por estes lados tive conhecimento da Rosa Esperança fiquei com uma vontade enorme de assistir a este espectáculo, mas ainda não foi desta, estive para ir a Benavente, porque a Rosa Esperança também actuo lá na sequência da campanha de um dia pela vida, mas algo me impediu. Também estava para ir a Leiria com as amiguinhas e tb fui impedida de o fazer... Será que em 2010 o grupo não quer vir actuar ao Douro Serão bem recebidas, vamos lá malta vamos fazer uma forcinha para que o grupo venha até nós.
Obrigada Terizinha por partilhar connosco as suas emoções. Bj e bom domingo

Ana Paula disse...

Permita-me que entre no seu ginásio.

Há bastante tempo que andava para ir ver a peça, e finalmente, as famosas guerreiras vieram a Leiria (terra onde vivo). Tal como estava à espera ADOREI, chorei todo o tempo mas que importa, foi um reviver de emoções, de tristezas de alegrias....

O que escreveu é simplesmente lindo, tem de facto o dom da escrita.

Beijinhos virtuais de Leiria

paula disse...

uau...
és extraordinária, Teresa...tens o dom das palavras...
temos que viver cada dia o mais cor de rosa possivel...
Esquece o amanhã...Amanhã logo se vê...O agora é que é importante...
Parabéns rosa esperança...

P.S. Querem ver que chegamos ao natal e ainda não resolveram os vossos arrufos meninas...
Acho que é amor...só pode...
Paula Padinha

Pó de Estrela disse...

Meninas

Eu estou boquiaberta 000000000H!

Teresa, foi tão bem escrito e descrito, que quase me senti lá!
São todas mulheres de coragem rosa que nos metem a todas numa chinela!

Amanhã volto,com mais tempo. tenho tido tanto que fazer que até ando ca cabeça à roda!
Nem ao meu blog Fui!!!!

Beijoquinhas minhas lindas. Durmam com os Anjos

Anónimo disse...

Feliz Domingo!
Está muito frio, mas o sol está tão apetitoso! :)

Passei para deixar um beijinho bom a todas! :)
Obrigada pelos comentários, depois falamos!!
Bom almoço!
Bom Domingo em família!

E... PARABÉNS À BRANCA QUERIDA, FOFA, LOIRA DE OLHOS AZUIS!! :))

A festa é ali na Linda-Carmo, ao que parece!! :))

Branquinha, a minha colega aqui dos escritos do Ginásio: tudo, tudo, tudo de bom...!! Beijo virtual! O outro está quase a chegar!! :)

*

Teresa*

Alda disse...

Fiquei muito emocionada ao ler este texto da Teresa!
Rosa Esperança mudou a nossa vida! Nunca mais volto a ser a mesma, e gostaria que nunca termina-se a nossa digressão. Ao ouvir relatos destes sinto-me muito feliz e todos os sacrifício que passei, valeram a pena. Ao princípio foi duro... se foi, mas também me fortaleceu!

Um bem-haja a todos que nos acarinharam por esse país fora!
Um feliz Natal para todos!

Bjs

Teresa disse...

Alda!! :)

Que bom lê-la! Depois de a ter visto... Depois de a ter abraçado! :)
É que nem a alda será a mesma, nem o seu público a esquecerá! à mulher da Fé!! *
Beijinho, Alda! Outro para o seu marido!*

:)

Anónimo disse...

Às sete lutadoras em questão, venho demonstrar todo o apreço e admiração.
Desejo que a terceira digressão contemple Lamego, sei quem estará na primeira fila: a minha mãe, uma sobrevivente também. :-)

As palavras aqui deixadas, sob a forma de testemunho, expressam o que é Rosa Esperança. Já tinha ouvido falar (colegas que assistiram à peça em Guimarães e amigas comuns com a Teresa que foram a Ovar. Na altura, recordo-me que houve uma combinação com a Linda, que é das redondezas, mas por coincidir com o casamento de uma familiar da Teresa, ficou adiado). Entretanto, Leiria ficou de parte. Passei a ter turnos de Bloco aos Sábados à noite. Lamentei não ter ido, como previsto, mais uma vez. Nem a minha Mãe nem a Mãe da Teresa foram. Lamego espera-vos, bem como um leque de cidades e/ou locais do país.

Muito bem escrito, Teresa.

Zézinha, à la nôtre! Tchim-Tchim!

Boa noite e um resto de vida cor-de-rosa a todos, com ou sem esperança, pois há coisas que, efectivamente, nem a Fé nem a medicina conseguem dominar.
Pedro

Brancamar disse...

Minhas queridas amigas, todas, à Alda muito perticularmente que já conheço desde a Catedral e foi pela Catedral que não pude ir a Leiria, embora espere ainda ver a Rosa Esperança numa nova temporada e gostava que pudessem vir ao Auditório de Gondomar, tenho a certeza que teriam muito público, muitas mulheres há por aqui interessadas no tema, numa zona populacional grande e tão pegadinha ao Porto, num auditório muito confortável e que fica na entrada da cidade, com via rápida à porta e ligação directa à A1. Podemos conversar sobre isso se quiserem, posso contactar o Pelouro da Cultura.
Pois, como dizia, estaria previsto juntar-me àquelas "doidas" da LINda e da Teresa, ihihih, não fora ter partido para Lisboa nesse Sàbado à tarde.Mal cheguei, à noitinha tive encontro com o Jorge Henriques e esposa, o Jorge é um caso côr de rosa, que a maior parte de vós conhece, matamos saudades, foi bom.
Almoço com o André Moa a 6, também ele um ser rosa, um lutador e sobrevivente nato, todos conhecidos no blog do Salvador Vaz da Silva. A 7 almoço com outro amigo blogosférico, amigo do peito, mas que não conhecia pessoalmente e à noite um momento especial dedicado ao Salvador, era o dia do seu aniversário, dia de culminar esta estadia de um fim de semana inteiro com gente bonita.
Só tive pena de não ter vivido também tudo isto que a Teresa relatou de forma tão viva e tão sentida, mas tenho esperança de que chegará a minha oportunidade.
Desejo a todas um Bom e Feliz Natal.
Beijinhos.
Branca